domingo, 28 de julho de 2013

AS 10 QUESTÕES DA RECUPERAÇÃO; extratos (João César das Neves)

Na sequência do seu excelente livro "As 10 questões da crise", João César das Neves lançou recentemente este "As 10 questões da recuperação", que, com o rigor e lucidez que lhe são habituais, nos ajuda, fundamentadamente, a perceber as consequências associadas às várias propostas de saída da presente crise económica. Seguem-se alguns extratos significativos desta obra:
 
 
QUEM TEM CULPA DISTO?
 
Na economia, não está mais ninguém a não ser os agentes económicos. Mesmo quando se fala do Estado, pelo menos no regime democrático, ele é aquilo que os eleitores fizeram e sobrevive apenas agradando-lhes.
...
Precisamente por este sistema descentralizado de milhões de elementos não ser fácil de aceitar, a grande maioria das pessoas que sofre a crise prefere atribui-la a monstros maléficos.
...
O mundo é realmente um undo cão, como eu posso ver olhando-me ao espelho. E todos somos vítimas e culpados dele.
... 
 Para explicar a crise, devemos primeiro livrar-nos dos nossos fantasmas, aqueles expetros que povoam as nossas raivas.
...
Mas a maldade e a tolice dos poderosos são da mesma natureza que a minha.
...
Em vinte anos quase multiplicámos por dez o nosso endividamento.
...
O nsso problema de fundo, a causa última da crise, está na mentalidade instalada, laxista e gastadora que o acesso ao crédito fácil gerou.
...
A máquina empresarial nacional viu-se coberta com uma camada de atividades falsamente produtivas que pareciam rentáveis porque viviam à custa de empréstimos.
...
Equanto a dívida privada pode ser, e normalmente é, "capital produtivo da nação" a dívida pública para pagar gastos correntesé sempre retirada desse capital.
Por tudo isto, o nsso problema político está realmente numa dívida excessiva do Estado.
...
Uma casa nova, um carro, uma roupa um bocadinho melhor, uma viagem ao estrangeiro, presentinhos para os netos. Pequenas coisas que antes não tinhamos, e que multiplicadas por dez milhões de pessoas dão uma grande dívida.
...
Mas a verdade é que não nos podemos libertar da nossa dose de culpa na orientação do país.
...
Em Portugal, nunca houve nem pode haver pensamento liberal. Há críticos e defensores do Governo,mas da extrema-esquerda à exstrema-direita toda a gente só fala do Estado.
...
Não há roubos, desfalques ou corrupção suficientes para levar a dívida externa acima do dobro do produto nacional.
...
A recessão e o ajustamento não são uma questão de polícia, mas um movimento económico de fundo. Essas queixas são apenas confusões ingénuas, formas convenientes de descarregar os nervos ou álibis para esconder a verdade.
...
Só existe uma entidade com poder suficiente para provocar uma crise destas: o povo português.
...
O problema do país é que todos vivemos anos a gastar um bocadinho mais do que podíamos. Não era muito e não parecia mal, mas esse pouco multiplicado por milhões de cidadãos honestos dá uma fortuna.
...
Uma nuvem de gafanhotos come muito mais do que meia-dúzia de elefantes.
...
   - somos o terceiro dos 15 países da Europa  com mais quilómetros de auto-estrada por habitante-
   - em 2008 éramos o terceiro dos Quinze com mais subscrições de telemóveis por habitante.
   - segundo os dados do Benco Mundial, em 2007, éramos o quarto país dos Quinze com mais despesas em saúde, em percentagem do PIB.
   - pelo segundo ano consecutivo, Portugal ocupou, em 2010, o primeiro lugar na tabela da comissão europeia sobre utilização de serviços públicos online.
   - em 2010, Portugal era o décimo país mais atrativo do mundo para energias renováveis.
   - há vários anos que a formação em Gestão das Universidades Católica Portuguesa e Nova de Lisboa está entre as melhores do mundo, segundo os rankings do Finantial Times, tendo, em 2012, entrado também para a lista a Porto Business School.
   - Portugal, com a Via Verde, foi o primeiro país do mundo a aplicar um sistema de teleportagem em toda a sua rede de autoestradas.
   - o Multibanco é o melhor sistema da Europa nas funcionalidades disponíveis.
...
Tudo isto significa que o problema não está tanto na gravidade da situação mas na disparidade entre realidade e expectativa.
...
Dizemos que a solução nacional está na agricultura, pesca e indústria, mas poucos querem ir para os campos, embarcar ou ser operário.
...
Não será fácil encontrar a saída. Mas só a vamos ultrapassar se mudarmos de atitude.
 
(Continua) 

Sem comentários:

Enviar um comentário